Medo de passar vergonha em casa ou atestado de incompetência das autoridades paulistas?

CBF segue orientação de autoridades paulistas e beneficia o Palmeiras mais uma vez.

Decisão esdrúxula, inaceitável e inimaginável. Assim podemos classificar mais um episódio que envolve a CBF e o favorecimento ao Palmeiras. Se já não bastasse os vários erros de arbitragem à favor da equipe paulista na tentativa de manter o campeonato em aberto, agora o Palmeiras também é favorecido com uma decisão em conluio entre Ministério público, Polícia Militar e a própria CBF.

Devemos lembrar que no primeiro turno a equipe paulista teve direito a carga de ingressos habitual, não houve qualquer tentativa de boicote ou que o Flamengo jogasse com torcida única. A PMERJ desempenhou um trabalho exemplar e garantiu a realização do espetáculo e a integridade física dos torcedores.

No primeiro turno o Flamengo goleou o adversário em casa.

A PMESP ao afirmar que não consegue manter a segurança dentro e fora do estádio para a realização do jogo passa um atestado de impotência gigante. Pra que serve a PMESP se não consegue controlar alguns torcedores?

A PMESP e o MP se baseiam no grande risco para emboscadas nas estradas e possíveis confrontos. O pior de tudo é que só em 2019 as forças de segurança foram descobrir que a maior organizada do Palmeiras recebe a organizada do Vasco e que uma das organizadoras do Flamengo recebe a organizada do São Paulo. Isso deve acontecer nos últimos 30 anos, mas eles só foram descobrir hoje. Não é piada!

Engraçado que nos dois títulos Palmeirenses o elenco do clube paulista na época fizeram vários tipos de provocações, inclusive na porta da loja do Flamengo. Tivemos ex-presidente do clube confeccionando camisas em tom de deboche e mesmo com isso tudo acontecendo a PMESP e o MP não acharam em nenhum momento que essas atitudes poderiam desencadear uma guerra entre as torcidas. Porém bastou o Flamengo ser campeão para essas entidades colocarem os olhos em cima da questão em si.

O que chama atenção para a decisão das autoridades paulistas é que bastou o Flamengo ser campeão para que a rivalidade entre os clubes virasse um problema.

O futebol perde outra batalha para os engravatados dos tribunais que não sabem 10% da realidade dos estádios no Brasil.